fbpx
Conecte-se conosco

Entretenimento

Grupo 59 apresenta Um Dia, Um Rio, premiado espetáculo sobre desastre ambiental na Bacia do Rio Doce, no Sesc Consolação

A montagem foi agraciada com o Prêmio APCA de Melhor Adaptação (Bruno Gavranic e Grupo 59) e indicada em três categorias ao Troféu Caneca / Pecinha É a Vovozinha – Direção (Fabiano Lodi), Trilha Sonora (Felipe Gomes Moreira e Thomas Huszar) e Figurino (Kléber Montanheiro).

O premiado espetáculo infantojuvenil Um Dia, Um Rio, montagem do Grupo 59 de Teatro, chega ao palco do Teatro Anchieta, no Sesc Consolação. A temporada acontece entre os dias 16 de março e 11 de maio de 2024, sempre aos sábados, às 11h.

Dirigida por Fabiano Lodi, a montagem cênico-musical é uma criação coletiva inspirada no livro homônimo de Leo Cunha e André Neves (ilustrações), que aborda com lirismo e contundência o desastre ambiental que destruiu a Bacia do Rio Doce (MG), em 2015. Bruno Gavranic assina a dramaturgia junto com o Grupo 59, e Felipe Gomes Moreira e Thomas Huszar são responsáveis pela direção musical.

A montagem é resultado de um processo continuado de pesquisa do Grupo 59 de Teatro (O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá e Histórias de Alexandre) sobre a transposição da literatura para o palco, na fricção entre literatura e teatro, e a musicalidade na cena, em interlocução com o público infantojuvenil.

Conduzido essencialmente pela música, Um Dia, Um Rio narra a vida de um rio, desde o seu nascimento como um riacho até a exuberância de suas águas que desenham lindas paisagens. Ao longo do percurso, o rio encontra um grande desafio para preservar suas águas, as formas de vida que abriga e as que surgem ao redor. O enredo traz um lamento, um grito de socorro tardio de um rio indefeso que não tem como reagir ao ser invadido pela lama da mineração.

No livro, um lamento sensível e profundo de um rio indefeso que é completamente destruído ao ser invadido pela lama da mineração. Esse rio – que personifica e simboliza o grito de socorro do meio ambiente, vitimado por inúmeras ações predatórias e pela nossa falta de cuidados ambientais – sonha em ser rio outra vez, um dia. Na montagem, um poema cênico contundente, conduzido pela música.

A variedade de ritmos da cultura musical brasileira e o canto coral, acompanhado de instrumentos de percussão tocados ao vivo pelo próprio elenco, marcam a experiência sonora do espetáculo, retomando a marca do Grupo 59 de “contar cantando” e “cantar contando”. As canções foram criadas pelo elenco junto aos diretores musicais, a partir de trechos do livro, além de algumas citações ao cancioneiro das festas populares brasileiras. “O canto traz o fluxo para a condução da história, traz a narrativa com consciência pelo entendimento das palavras”, comenta Felipe Gomes Moreira. Ele explica que “a trilha sonora é inspirada em temas de congada, toadas de boi, cantos de canoeiros e de trabalho na beira do rio, religiosidade e por lamentos, como uma forma de louvação pela vida que o rio carrega”.

Segundo o diretor Fabiano Lodi, “a dramaturgia musical e corporal encontra no espírito brincante dos ritmos brasileiros a leveza para tratar a contundência do tema e pensar caminhos para um mundo diferente. Os atores brincam em cena como o rio brinca com suas águas, com a terra, com as montanhas”. A oralidade proposta pelo Grupo 59 coloca os cinco atores em cena todo o tempo. Todos interpretam a personagem Rio, que tem voz própria, que brinca de interpretar outros papeis do contexto ao seu redor (canoeiro, margem e outros).

O espaço cênico é inspirado no movimento de folhear o livro e se surpreender, a cada página, com uma ilustração diferente que ajuda a contar uma parte da história. O cenário, com formas angulares em madeira, se reconfigura como uma brincadeira que remete ao impacto das ilustrações do livro. Em contraponto, os atores usam figurinos leves e sinuosos, combinando espaços, sensações e estados de espírito no jogo cênico.

10

Em O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (2009), o Grupo 59 de Teatro mergulhou no universo da fábula de Jorge Amado, em Histórias de Alexandre (2017) na prosa de Graciliano Ramos e agora, com Um Dia, Um Rio, aventura-se nos caminhos da poesia contemporânea para a infância e juventude, da palavra-poema em potência de encantamento que toca os sentidos. 

A investigação da linguagem poética na cena, à luz de uma temática tão urgente e delicada como a preservação ambiental, convida as crianças a construírem um vínculo afetivo com a história narrada pelo personagem Rio e a percorrerem as águas da imaginação em reflexões muito importantes: Quantos outros rios também sofrem assim? Será que somente os peixes são afetados pelas águas poluídas? E como fica a população ribeirinha e a vida nas cidades? Como podemos proteger os nossos rios e o meio ambiente?

FICHA TÉCNICA – Uma criação do Grupo 59 de Teatro inspirada na obra de Leo Cunha e André Neves. Direção: Fabiano Lodi. Dramaturgia: Bruno Gavranic e Grupo 59 de Teatro. Elenco: Carol Faria, Fernando Vicente, Gabriel Bodstein, Nathália Ernesto e Jane Fernandes. Elenco alternante: Gabriela Cerqueira e Thomas Huszar. Direção musical: Felipe Gomes Moreira e Thomas Huszar. Cenário e figurinos: Kleber Montanheiro. Assistência em cenário e figurinos: Marcos Valadão. Desenho de luz: Gabriele Souza. Operação de luz: Sylvie Laila. Técnico de som: Nicholas Rabinovitch. Pensamento corporal: Fernando Vicente. Ilustrações: André Neves. Fotos: Pri Fiotti. Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação. Produção executiva: Gabriela Cerqueira. Coordenação de produção: Gabriel Bodstein. Idealização de projeto: Carol Faria e Fabiano Lodi. Produtora associada: Leneus Produtora de Arte. Idealização e produção: 59 Produções Artísticas e Culturais.

Serviço

Espetáculo: UM DIA, UM RIO

Com Grupo 59 de Teatro

Temporada: 16 de março a 11 de maio de 2024. Sábados, às 11h

Duração: 50 min. Classificação: Livre (indicado para crianças a partir de 4 anos).

Ingressos: R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia) e R$ 10,00 (credencial plena). Crianças até 12 anos não pagam ingresso (retirar na bilheteria).

Vendas online a partir das 17h do dia 5/3 – https://centralrelacionamento.sescsp.org.br e app Credencial Sesc SP. Vendas nas bilheterias das unidades, a partir das 17h do dia 6/3.

Teatro Anchieta – Sesc Consolação

Rua Dr. Vila Nova, 245 – Vila Buarque. São Paulo/SP.

Tel.: (11) 3234-3000 – Capacidade: 280 lugares. Acessibilidade: Sim.

Na rede: @sescconsolacao – Site: www.sescsp.org.br/consolacao 

Roteiro

Entretenimento

A música da zona rural de São José dos Campos e sua ligação com a terra e o folclore latino-americano

Grupo DUA faz shows gratuitos em São José dos Campos para celebrar as raízes da música regional e homenagear mestres e mestras  da cultura local

Você sabe o que a música produzida em bairros da zona rural de São José dos Campos (SP) tem a ver com as tradições musicais venezuelanas, argentinas, colombianas e peruanas? São essas curiosas similaridades que o público poderá conferir no espetáculo gratuito “Todas as vozes: um rito musical para a terra”, do grupo Dua, que fará uma mini turnê por São José dos Campos, com a participação dos mestres e mestras da cultura popular Ana Maria Carvalho, Deo Lopes, Jongo Mistura da Raça e outros artistas que serão apresentados ao longo da temporada.

O primeiro show será durante o evento Macambada Reunida, no dia 20 de abril, às 18h, com participação de Ana Maria Carvalho. Outra data confirmada é 4 de maio, quando o Dua recebe Deo Lopes a partir das 15h30, em apresentação no Parque Lambari, no Campos de São José.

Realizado com recursos do Fundo Municipal de Cultura, da Prefeitura de São José dos Campos, e apoio da FCCR (Fundação Cultural Cassiano Ricardo) –, “Todas as vozes: um rito musical para a terra” tece diálogos entre o Vale do Paraíba, a Serra da Mantiqueira e outras culturas musicais latino-americanas, como a das tonadas venezuelanas, zambas e chacareiras argentinas, cumbias colombianas e o folclore negro do Peru.

Nascido no distrito joseense de São Francisco Xavier, Dua é o encontro entre Maria Luana (Uruguai) e Bruna Prado (Brasil), musicistas dedicadas à pesquisa do folclore latino-americano que moram no distrito joseense e se encantaram com o legado da música local. Sim, a cidade conhecida pela inovação e tecnologia, a capital nacional do avião, tem uma rica história musical preservada especialmente em bairros periféricos e seus distritos, nos quais a comunidade a mantém viva!

Juntas, Bruna e Luana exploram as vocalidades presentes em diversos gêneros de canção de origem rural, suas estruturas rítmicas e o canto a duas vozes, acompanhadas de violão e percussão, e priorizando letras que têm como temática a terra, seus ciclos e os ritos que envolvem a relação entre a coletividade humana e os ciclos da natureza.

Além desse elo da “terra” entre as musicalidades, as artistas logo perceberam outras semelhanças. “As aberturas de vozes, os temas tratados nas letras, a presença dos tambores graves e do violão são alguns desses elementos”, enumera Bruna, revelando que o espetáculo irá contar com cenário e figurino criados pela artista plástica Juliana Strzygowski, inspirados em elementos do artesanato local, como cestos de taboa e redes de pesca, e no imaginário que permeia as canções.

Repertório dos shows

Para a construção do repertório, a dupla trabalhou em cima de pesquisa musical preliminar feita pela produtora Patricia Ioco, que atua no Vale do Paraíba há 25 anos. Depois, partiram a campo em trabalho de escuta e consulta a mestres locais de cultura popular – cancioneiros, violeiros, mestres de jongo e artesãos –, além de casas de cultura e documentos no Museu do Folclore de São José dos Campos.

Os shows trarão músicas de Miriam Cris, Rialcim, Deo Lopes, Nilton Blau, Ana Maria Carvalho, Trem da Viração, Ari da Rabeca, Quinzinho da Viola e Adriana Mudat, além de canções em espanhol de Atahualpa Yupanqui, Jorge Fandermole e Armando Tejada Gomez.

É desafio do espetáculo aproximar o canto às origens, apresentar as canções de forma oral e, a partir da condução das artistas, trazer o público para dentro das obras, experimentando  sonoridades e transformando o espetáculo em um rito, onde todos cantam, dançam e celebram juntos, à maneira dos festejos populares.

O encanto do Vale do Paraíba

Nascida no Uruguai, Maria Luana passou por cidades de diferentes países até chegar ao bairro dos Souzas, em Monteiro Lobato, antes da pandemia. Voltou para a região no ano passado, se instalando em São Francisco Xavier. “Me apaixonei pelo lugar, meu coração está aqui e vejo como um bom local para criar raízes”, se declara.

Luana lembra que quando veio pela primeira vez à região, se deparou com um cenário musical que trazia diferenças e também afinidades com a bagagem artística com que teve contato, como as menções ao campo, tão comum nas letras, e o formato voz e violão, fortes também no Uruguai. Mas ela ressalta que foi somente ao longo do projeto que passou a conhecer de verdade essa cultura local. “A gente procurou criar uma relação com a comunidade. O foco é conhecer e conviver com as pessoas, falar da vida, tomar um café com elas. É uma relação humana de afeto, e a música é uma consequência dessa conexão e respeito à cultura inerente a cada um”.

Durante essa aproximação, elas notaram novas influências que dão uma cara ainda mais criativa ao cenário musical de São José dos Campos, cidade conhecida por abrigar pessoas de diferentes localidades ao longo das últimas décadas. “A cultura de todos os lugares é formada pela mistura da cultura das pessoas, e percebemos isso em São José, que tem muita diversidade. O Jongo Mistura da Raça, por exemplo, veio do Rio; a Miriam Violeira, de Minas; a Ana Maria Carvalho, do Maranhão”, opina Bruna, que vive há três anos e meio em São Francisco Xavier.

“Os cantos e ritmos ancestrais nos conectam direto com a fonte, carregam tanta sabedoria, e me trazem essa sensação de estar reconectando com a origem da existência, com o divino, com Deus, enfim, o nome que quisermos dar. Quando tivemos essa ideia de nos conectar com este território que nos acolhe, e com a sua música, as suas canções, senti essa mesma emoção, essa emoção de reconectar com a origem e energia que estas montanhas carregam, é isso é muito especial ”, diz Luana.

As pesquisadoras também identificaram traços marcantes dessa música rural joseense, como a viola caipira, influências da Folia de Reis, figureiras e da cultura afro-brasileira, entre outros.

“Adoro misturas musicais, roça e cidade. Eu e a Bruna somos um pouco isso, mulheres urbanas que valorizam, honram e se conectam com povos originários. Em algumas músicas, fizemos arranjos mais parecidos com o original, mas em outras temos experimentos, uso de instrumentos africanos como a kalimba, o bombo legüero (tambor argentino). É um diálogo entre o nosso universo sonoro e o dos compositores”.

As apresentações em São José serão gratuitas, com indicação livre e terão tradução em Libras. Serão registradas em fotos e vídeos que servirão de material para um minidocumentário sobre a pesquisa e a turnê, que ficará disponível para acesso livre e gratuito em canal do Youtube e páginas do projeto.

SERVIÇO

Apresentações do projeto “Todas as vozes: um rito musical para a terra”

– Dia 20 de abril, às 18h, com participação de Ana Maria Carvalho, na programação do evento Macambada Reunida (Travessa Sebastião Lino da Costa, 955, Bairro dos Freitas – Morro do Carrapato)

– Dia 4 de maio, às 15h30, com participação de Deo Lopes (Parque Lambari – Campos de São José)

Confira datas futuras na página do projeto no Instagram: @todasasvozes_dua

Sobre o Dua

O Dua nasceu em 2022, no encontro de Bruna Prado e Maria Luana.

Bruna Prado é cantora, compositora, pesquisadora e condutora de processos criativos e educacionais envolvendo voz, corpo e canção. Doutora em Música, Mestra em Antropologia Social e Bacharel em Música Popular pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Formada, ainda, pelo Método Bertazzo de educação do corpo e do movimento. Tem dois álbuns-solo, além de participação em discos de outros artistas. Trabalhou durante dez anos no “Canto do Brasil: atividade e ensino musical” (São Paulo), espaço coordenado pela cantora e profa. Dra. Regina Machado. Foi professora do curso de música da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), em Foz do Iguaçu (PR). Vive atualmente no distrito de São Francisco Xavier (SP), onde dá aulas de canto no Projeto Colibri, do Núcleo Educatho; conduz de maneira autônoma o projeto Oficina de (en)cantos  e atua artisticamente com o grupo Dua, além de integrar o GT Mulheres da Cultura de São José dos Campos. Produziu, em 2021, ao lado de Helô Ferreira, o “Festival Cancioneiras”, financiado pelo Fundo Municipal de Cultura de São José dos Campos. Em 2022, circulou com o espetáculo “Quatro Estados para a Solidão”, contemplado pelo edital “Música ao Pôr-do-Sol”, da Fundação Cultural Cassiano Ricardo (FCCR).

Maria Luana é cantora, compositora e terapeuta sonora. Nasceu em Montevidéu e cresceu entre Costa Rica e Brasil. Desde 2014, se dedica a pesquisar diferentes linguagens de improvisação, música vocal e cantos ancestrais da América Latina e do mundo, assim como diferentes caminhos para o uso da voz e o corpo como instrumento musical e de expressão criativa e artística. Já se apresentou em vários países e festivais internacionais na Costa Rica, Argentina, Brasil e Uruguai, e tem dois discos lançados. Participou de projetos artísticos como o Coro Juvenil do Estado de São Paulo e o grupo vocal Nômade, liderado pela moçambicana Lenna Bahule. Faz parte da banda do compositor Luiz Tatit e da Orquestra do Corpo (projeto dirigido por Fernando Barba de Barbatuques), entre outros. Desenvolveu os seus estudos de canto com Wagner Barbosa, Anais Maviel, Lívia Nestrovski, Renata Rosa, Lucia Spivak, entre outros, e de improvisação vocal e música corporal com pioneiros da técnica como Fernando Barba, Stenio Mendes, Keith Terry, Joey Blake, Roger Treece e Rhiannon. Vem transitando uma jornada para relembrar e expressar em liberdade a sua voz e expressão criativa e atualmente facilita vivências, retiros e workshops de voz e criação com a intenção de relembrar e potencializar a voz autêntica e despertar a música e criatividade que habita em todo ser.

Roteiro

Continue lendo

Entretenimento

Sexta-feira (12) é dia de show gratuito com Sandra Vianna no Centro Cultural de Mogi

Com músicas que falam sobre respeito, ancestralidade e paz, apresentação do repertório ‘Cunhã’ está marcada para às 19 horas, na Sala Wilma Ramos

Anote na agenda: nesta sexta-feira (12) tem show de Sandra Vianna no Centro Cultural de Mogi das Cruzes. Proporcionada por recursos do Programa de Fomento à Arte e Cultura de Mogi das Cruzes (Profac), a apresentação está marcada para às 19 horas, na Sala Wilma Ramos, com entrada gratuita.

O repertório é ‘Cunhã’, álbum cujo nome significa “Mulher” em tupi-guarani. “Em primeiro lugar, é uma forma de identificação. Me entendo melhor nesse universo dos povos originários, e me sinto pertencente desde o primeiro contato, que tive na aldeia do Rio Silveira em meados dos anos 2000, o que me auxiliou muito a me colocar no mundo, a me entender, a me conhecer e acolher”, explica a cantora, que fala em ancestralidade e respeito.

São reflexões sobre positividade que vem alcançando endereços descentralizados como em shows na Acadêmicos da Fiel, no bairro Rodeio, e na Emesp, na Vila Lavínia.

“Em ‘Cunhã’ existe um punhado de mensagens que desejo transmitir, como a libertação feminina em ‘Filha de Uma Maria’ e como o entender-se e ser do jeito que realmente quer ser em ‘Bacante’. E trago referências a outros artistas, incluindo mogianos na ‘Oração do Artista’, de Khalil Magno, a sensibilidade perceptiva de ‘Empatia’ de Rui Ponciano e Dani Dias e o rompante da mulher se libertando de uma relação abusiva em ‘Roma’”, afirma a artista, que continua.

“Há também um reencontro comigo proporcionado pelas artes na ‘Mágica do Tempo’, e ‘’A Mùsica’, uma parceria com Roberta Campos e Dandy, que ganhou uma nova versão,‘É o que ela me faz’, com Brenô e está disponível em todas as plataformas digitais.. E ainda ‘Índia Lua’, de Antonio Pereira, ‘Irũ’, composta por mim, que vem trazendo as influências da época de vivências indígenas vindo como apelo, para maior atenção às condições climáticas, e “Floresta em Pé e Fascismo no chão”, também do Khalil”.

Todas estas mensagens se unem em um formato intimista, que oferece experiência diferenciada da gravação do álbum,  proporciona novas vivências com cada canção e faz um apelo pela promoção da paz, pelo respeito e pelo combate à preconceitos. 

“Trabalhamos com uma equipe majoritariamente formada por mulheres. No palco, conto com o suntuoso auxílio da cantora, compositora, produtora e instrumentista Valéria Custódio, com os violões, voz e pontual percussão de Flavia Caruso”, lista Sandra Vianna, que elenca também Deizy Mano na produção executiva  e Marketing, Carla Pozo na Assistência de Produção, Luna Nakano como social media, Gustra Pellatiero na maquiagem, visual e merchandising, Ana Paula Peres como intérprete de Libras, Débora Ribeiro na contabilidade, Léo Zerrah na Produção Técnica, Maurício Noro e João Correa da produtora Salada de Frutas nas fotos e filmagens e Thiago Cardoso na Iluminação.

Esta é a equipe que poderá ser vista, ouvida e sentida às 19 horas desta sexta-feira (12), no Centro Cultural de Mogi das Cruzes, que fica na Praça Monsenhor Roque Pinto de Barros, 360. Outras informações estão disponíveis nas redes sociais da artista (https://www.instagram.com/sandraviannaoficial/ e https://www.facebook.com/asandravianna/). 

Fotos: Mauricio Noro

Roteiro

Continue lendo

Entretenimento

Mercado Místico estará de volta a São José dos Campos com participação de oraculistas e empreendedores regionais

Paralelamente ao Mercado Místico, os organizadores trarão para cidade, pela primeira vez, o Festival do Camarão no Shopping Jardim Oriente. 

Devido ao grande sucesso, este será o terceiro ano consecutivo que o Mercado Místico estará em São José dos Campos, no ginásio de eventos do Shopping Jardim Oriente. Paralelamente, no estacionamento será realizado também o 1° Festival do Camarão, nos dias 4 e 5 de maio. Faltando menos de um mês, os organizadores querem fazer um convite aos oraculistas e empreendedores regionais que gostariam de participar destes dois eventos que atraem mais de 10 mil pessoas por dia.

Os interessados em expor ou fazer palestras e vivências no Mercado Místico podem fazer contato pelo Instagram: @mercadomistico. Já para o 1° Festival do Camarão, os empreendedores gastronômicos podem fazer contato pelo: @artshineeventos.

“Nossos eventos em São José dos Campos contemplam tanto oraculistas e empreendedores do Brasil que nos acompanham ao longo dos 13 anos de evento, e buscamos gerar oportunidades para os profissionais regionais. Nos dois últimos anos tivemos participantes de São José, Caçapava, Aparecida, Taubaté.  Para este ano, estamos com inscrições abertas até meados de abril”, declarou Márcio Alvarez, fundador do Mercado Místico e organizador do festival gastronômico.

Mercado Místico

É o maior evento do setor no Brasil com entrada gratuita e estará de volta a São José dos Campos com palestras, vivências, apresentações de dança, limpeza xamânica (para pessoas e pets), expositores com produtos esotéricos diversos e ainda, com a presença de oraculistas especializados e renomados com aconselhamentos e previsões, em diversas modalidade tais como: bola de cristal, búzios, cartomancia, quiromancia, borra de café, runas e tarô.

“O Mercado Místico é multicultural, ecumênico e democrático. Reúne um público que procura por equilíbrio, saúde, bem-estar, autoconhecimento e boas energias. Tem uma programação cultural com danças, palestras e vivências no palco, tudo gratuito”, explicou produtor do evento, Wesley Carvalho. 

1° Festival do Camarão 

O Festival do Camarão é inédito em São José dos Campos e reunirá um cardápio saboroso. O evento contará com mais de 40 expositores com cardápio de camarão e também outras opções como: espetinhos, hamburguer, pastel, batatas, entre outros. E ainda, doces, cervejas artesanais. Ambiente Pet Friendly.

Serviço:
Inscrição para empreendedores: 
até 20 de abril

Onde: empreendedores segmento bem estar: @mercadomistico 

           empreendedores gastronômicos:@artshineeventos


Mercado Místico e 1°Festival do Camarão

Quando: 04 e 05 de maio
Horário: 12h às 22h, no sábado / 12 às 20h, no domingo
Onde: Shopping Jardim Oriente
Gratuitos: entrada, estacionamento, atividades (limpeza xamânica, palestras, vivências, apresentações de dança).
Realização: Art Shine Promoções e Eventos

Roteiro

Continue lendo

Em Alta

Copyright © 2022-2023 Revista Roteiro - Desenvolvido por AtitudeTI AtitudeTI

Enviar WhatsApp
Precisa de ajuda?
Olá 👋
Podemos te ajudar?